Blog :: Xalingo

Tag - educação

Por que é importante ensinar educação financeira para os filhos?

Muitos pais não sabem como falar sobre dinheiro com os jovens. O assunto, tão crucial para criar responsabilidade em crianças e adolescentes, precisa ser abordado cuidadosamente, de modo que as orientações surtam o efeito esperado desde cedo.

Vamos mostrar para vocês a importância de ensinar a educação financeira para os filhos e as vantagens de começar aplicá-las em casa desde cedo.

O que é e como funciona a educação financeira?

Esse assunto desperta muita dúvida nos pais, já que vivemos em uma sociedade consumista e temos como dever fazer escolhas conscientes na hora de lidar com o nosso dinheiro.



Precisamos entender que a aprendizagem está além da organização de gráficos e tabelas, ela está nos pequenos atos do cotidiano.

Para saber usar o dinheiro conscientemente, é preciso falar com leveza com os filhos — dando um cofrinho, pagando uma mesada ou, até mesmo, emplacando um jogo ou uma conversa em família.

Quando iniciar as lições de educação financeira para crianças?

A dúvida é bastante popular entre os pais e tem respostas simples, a depender primeiramente da idade do filho. Tudo isso porque há diferenças na forma como uma criança de 6 anos e um adolescente de 13 usam o dinheiro no dia a dia.

De 3 a 6 anos

Não se apavore: a educação sobre a renda deve iniciar no jardim de infância e na alfabetização, no período que vai dos 3 aos 6 anos de idade, quando as crianças começam a despertar para o valor das coisas e a necessidade das trocas ao redor delas.


Nessa etapa, os especialistas indicam que haja um estímulo visual para os pequenos verem o dinheiro aumentando. Em vez de dar mesada a eles, aposte em um frasco transparente e os incentive a completar o cofrinho com as moedas que ganharem ao longo da semana.

Exercite os pequenos também por meio de exemplos do dia a dia, especificando o valor de cada coisa e o que cabe ou não no orçamento familiar.

De 7 a 13 anos

Após os 7 anos de idade, seus filhos começam a entender melhor a relação com o dinheiro. Se, antes, a mesada não era a aposta ideal para iniciar a vida financeira deles, deve ser uma boa escolha nessa fase!

Estipule um valor mensal ou semanal para repassar aos jovens. Pense nos gastos habituais dos seus filhos e cobre deles metas – como exemplo tirar notas azuis no boletim do colégio — para ganhar uma quantia x.

Tendo o dinheiro em mãos, peça que eles administrem o valor com responsabilidade. Afinal de contas, se usarem tudo antes do tempo, não receberão nova mesada antes do prazo estabelecido.

Uma boa forma também dos seus filhos compreenderem o mundo econômico é por meio de jogos lúdicos, a exemplo do Steam Matemática da Xalingo Brinquedos.

A partir de 14 anos

Incentivando os jovens a lidar com o dinheiro desde os primeiros anos de vida, é compreensível que eles cheguem à adolescência tendo um grande senso de responsabilidade diante das finanças pessoais.

Além de receberem uma mesada, eles devem saber cuidar da própria conta no banco. Abra uma poupança ou conta corrente simples com eles para que saibam a importância da educação na conquista da liberdade financeira.

Com a saída do ensino médio e o início da graduação, apresente a eles um cartão de crédito. O benefício é uma ótima pedida para cobrar deles ainda mais jogo de cintura para não perder o limite ao fazer compras.

Quais são as boas práticas para implementar a educação financeira?

No tópico anterior, vimos como a educação financeira é de extrema importância desde cedo e pode ocorrer em diferentes fases do desenvolvimento. Quantos adultos não olham para trás e desejariam ter apreendido esses cuidados?

Para quem aprendeu como administrar as finanças, uma boa ação é ajudar as novas gerações a se tornarem mais responsáveis com o próprio dinheiro. Nem sempre é fácil, mas, aos poucos, seus filhos mostrarão que todo esforço valeu a pena.

Incentive a percepção de valores

Ensinar o funcionamento do dinheiro, na prática, é a melhor forma de mostrar às crianças a importância de ter responsabilidade com os gastos. Na ida à padaria, em um passeio, informe o valor das coisas que elas pediram e incentive-as a fazer a mesma coisa. Explique o motivo quando não for possível comprar algo e o que precisa ser feito para comprar tal produto em outro momento, como economizar ou esperar o próximo mês.

Mostre a diferença entre querer e precisar

Outra prática importante na educação financeira para crianças é ensiná-las o que é necessário e o que é um gasto extra.

Em primeiro lugar, é importante saber quando ter esse tipo de conversa com seus filhos, pois esse assunto pode soar cansativo para eles.

Que vantagens a educação financeira para crianças oferece?

Até aqui, você descobriu qual é a melhor idade para aprender educação financeira e quais são as boas práticas a adotar. Desde o senso de responsabilidade com o dinheiro até o despertar do consumo consciente.

Ao longo da educação financeira, a criança vai adquirindo algumas habilidades importantes que, quando ela se tornar uma pessoa adulta, com mais responsabilidades sobre finanças.

Organização

Entre os benefícios da educação financeira para os filhos está o desenvolver da organização pessoal com planos e gastos. A fim de não cair em dívida, é preciso saber desde cedo quanto se tem e quanto se pretende gastar.

Poupança

Outra qualidade atribuída ao saber usar o próprio dinheiro é a necessidade de poupar para conquistar seus objetivos. Desde cedo, as crianças descobrem que a renda só cresce no cofrinho quando se coloca mais uma moeda nele.

Consciência

No entanto, uma das maiores dádivas que a educação financeira pode despertar é o consumo consciente e responsável. Com tanta vontade de consumir, é preciso comprar apenas aquilo que realmente seja necessário.

Responsabilidade

Lidar com dinheiro é, sobretudo, exercitar a responsabilidade. Quando seus filhos passam a ganhar mesada, por exemplo, eles precisam de planejamento para não gastar tudo de uma vez e fazer a quantia durar até o próximo recebimento.

Autocontrole

Junto à responsabilidade, seus filhos passam a exercitar o autocontrole quando precisam administrar uma quantia.
Mesmo se fizerem escolhas ruins, isso mostrará que eles precisam se policiarem nas próximas vezes.

Autonomia

A boa gestão financeira, mesmo na juventude, possibilita que a pessoa consiga ter mais domínio de suas escolhas. Isso permite tomar decisões bem pensadas na fase adulta e não cometer erros que coloquem a situação financeira em risco.

Neste texto, você ficou por dentro de como iniciar a educação financeira para crianças, um aprendizado que começa desde cedo com o intuito de transformar a relação dos seus filhos com o dinheiro.

A partir de vários exemplos realizados em casa, os pequenos aprendem quanto custam os produtos que desejam, seja usando um cofrinho na infância, seja diante de uma conta bancária na adolescência.



Fontes:
https://exame.com/bussola/educacao-financeira-na-infancia-saiba-por-que-ela-e-tao-importante/

Qual a importância dos esportes para crianças?

Os esportes ajudam no desenvolvimento da criança. Na realidade, a prática esportiva é uma necessidade em todas as fases da vida e nada melhor do que iniciá-la já na infância, com o objetivo de estimular esse hábito saudável na vida dos pequenos.

Uma atividade esportiva contribui para o desenvolvimento do corpo e da mente, assim como estimula a socialização. Por ser uma atividade física organizada, o esporte melhora o desenvolvimento social, além do físico.

Sabemos que as crianças têm muita energia. Por isso, vale muito a pena direcioná-la para as atividades físicas regulares, que auxiliam no desenvolvimento cognitivo. Esse excesso de energia quando bem direcionado deixa as crianças mais focadas e, ao final do dia, proporciona qualidade no sono.

Apesar dos termos esporte e atividade física serem usados como sinônimos, há diferenças. O esporte (ou desporto) refere-se a uma atividade física organizada com regras, normalmente, praticada em grupo. Ou seja, ao praticar um esporte, a criança realizará uma atividade física, mas nem toda atividade física é considerada uma atividade desportiva.

Sendo assim, quando falamos da importância do esporte no desenvolvimento, estamos nos referindo às atividades físicas que apresentam características de competição, socialização, formação de grupos, esforço físico, habilidades motoras específicas, regras e espaços padronizados.

São quatro os desportos mais utilizados para o desenvolvimento motor infantil: handebol, futebol, vôlei e basquete. São esses que trabalham as habilidades motoras, a socialização e a cooperação.

Além desses quatro, outras atividades, como natação e as lutas (judô, karatê, esgrima etc.), contribuem para a construção musculoesquelética e a melhoria do metabolismo.

Por meio das regras e condições, as crianças aprendem a lidar com as primeiras perdas e vitórias, passam a entender melhor sentimentos como a frustração, além de desenvolver uma competitividade saudável e um relacionamento de companheirismo com parceiros e adversários.

Vale registrar, porém, que essas atividades devem ser realizadas com o auxílio de profissionais capacitados e que permitam os pais acompanharem o desenvolvimento da criança.

A prática regular de atividades esportivas também pode prevenir o estresse, problemas respiratórios, cardíacos e de coluna, principalmente porque é na infância que se desenvolve a força óssea, muscular e as capacidades motoras.

O tipo de exercício que a criança vai realizar deve ser adequado à sua idade, peso e tamanho. Antes de iniciar qualquer atividade física, um médico ou um educador físico precisa avaliar as condições da criança ou do adolescente e definir o esporte mais adequado.

É considerado interessante variar as atividades de tempos em tempos. As crianças têm curiosidade e energia imbatíveis, por isso é difícil mantê-las focadas em uma única opção por um período muito longo.

Além disso, essa variação fará com que os pequenos tenham contato com regras e aprendizados diferentes, podendo até proteger o corpo deles de repetições que possam ser prejudiciais.

Há estudiosos que sugerem a compensação, ou seja, trabalhar com dois tipos de esporte simultaneamente — como a natação e o balé, por exemplo — de forma que uma atividade desenvolva a força e a resistência respiratória, enquanto a outra trabalhe o equilíbrio, postura e ritmo.

Antes de definir o esporte que seu filho vai praticar, leve em consideração o perfil e as características particulares dele. Veja em qual das várias opções – entre as que envolvem times ou são individuais – ele deve iniciar e ser sua primeira experiência.

Aliás, incluir a criança na escolha é fundamental. Esse processo é muito importante para deixá-la familiarizada e interessada no esporte, evitando frustrações no futuro.

Tente ser criativo na hora de mostrar as opções para o seu filho e não se limite em apenas exibir vídeos. Que tal possibilitar que ele as experimente junto com você? A família toda pode aprender as regras e montar partidas para as modalidades que ele se interessar.

Hoje são tantos dispositivos eletrônicos que despertam a atenção e roubam as horas de nossas crianças que vem se tornando urgente ingressá-las no esporte como um momento de lazer e integração.

Por isso, esse tipo de atividade deve ser praticado de forma lúdica e agregadora e não só como uma solução para vencer o sedentarismo e descarregar as energias.

Escolha, junto com o seu filho, uma atividade esportiva bem legal e verá o quanto está proporcionando desenvolvimento físico e social saudável para quem você tanto ama!


Fontes:
https://blog.academia.com.br/esportes-para-criancas-que-ajudam-no-desenvolvimento/

As frutas e os vegetais devem ser introduzidos desde a infância!

O contato com as frutas, os legumes e as verduras deve começar na infância, desde quando a alimentação é introduzida na vida da criança.

É muito importante que vários tipos de frutas e vegetais façam parte do cardápio da criança. Só assim vai se habituar aos sabores, cores, texturas dessa alimentação tão rica e saudável.

Não é raro ouvir um relato de mães afirmando que seus filhos, quando bebês, comiam de tudo, porém começaram a rejeitar alguns alimentos por volta dos 2 aos 4 anos.

Isso realmente acontece por ser essa a fase em que a criança fica mais seletiva. É quando muitas começam a selecionar até mesmo a roupa ou calçado que vão usar.

Porém, quando a família oferece uma rotina alimentar saudável,  bem variada e equilibrada, dificilmente, as crianças vão desprezar as frutas, os legumes ou as verduras. Já que esses estarão sempre disponíveis, os pequenos vão desejar comer, uma hora ou outra.

Educar os filhos para se alimentarem da melhor forma possível é uma missão importante na vida dos pais! 

Vale a pena registrar também que alguns estudos mostram que é necessário fazer a criança experimentar até 20 vezes um alimento, antes de afirmar que não gosta.

Variar a forma de apresentação das frutas, legumes e verduras é uma estratégia bem interessante. Se a criança diz não gostar de beterraba ou espinafre, mas come bolinho com o vegetal, está aí outra forma de oferecer o legume e folha pra ela.

Os pais devem saber ainda que as crianças que comem frutas e vegetais correm menos riscos de aumentar o colesterol, o triglicérides e/ou desenvolver anemia. Inclusive as vitaminas e os minerais presentes nessa alimentação mais saudável aumentam a imunidade.

Mesmo sabendo da necessidade de um cardápio saudável desde cedo, os pais não devem forçar os pequenos a comer. A responsabilidade dos tutores é disponibilizar esses alimentos de forma gostosa e prazerosa.

É essencial que as crianças vivenciem uma relação positiva com a comida, assim como cresçam e se desenvolvam, com saúde e bem-estar, devido à uma alimentação equilibrada.



Fonte:
https://saude.abril.com.br/alimentacao/criancas-que-comem-mais-frutas-e-vegetais-teriam-melhor-saude-mental/

A disciplina vai além do castigo. Entenda!

Embora aplicar castigos às crianças ainda seja uma das técnicas mais eficazes de disciplina utilizada pelos pais, ele não deve ser o único recurso. Até porque, conforme as crianças crescem, o castigo se torna menos eficaz. Pensando nisto, trouxemos outras técnicas disciplinares que você pode lançar mão e que podem funcionar bem com crianças mais velhas. 

Valorize os bons comportamentos

Muitos pais ainda passam a maior parte de tempo gastando energia se concentrando nos comportamentos que não querem que os filhos tenham. Porém, focar nas boas atitudes das crianças e valorizar isto, é uma das maneiras mais simples e eficazes na educação dos pequenos. 

Preste atenção nestas pequenas ações e demonstre sua aprovação. As crianças adoram receber uma atenção extra, então aposte num elogio verbal, abraço ou palmadinha nas costas para fazer esse reforço positivo. Ao valorizar os comportamentos apropriados da criança, aumenta-se as probabilidades de elas os repetirem, para receber esta atenção carinhosa. Da mesma forma que ter um comportamento bom ignorado, pode levar a criança a se portar inadequadamente em outra oportunidade – pois assim ela receberá atenção extra, ainda que em forma de xingamento. Então, tente se concentrar nas coisas boas, não nas más.


Não espere pela perfeição

É importante os pais serem realistas e não esperarem que uma criança tenha sempre um comportamento perfeito. Esta expectativa, na verdade, gera uma tensão na criança, que provavelmente fará com que ela se comporte mal, apenas para quebrar o nervosismo.

Além disso, é importante definir o que é realmente importante para você, quais bons comportamentos são fundamentais. Se tentar se concentrar em muitas coisas de uma só vez, acabará corrigindo seu filho constantemente, e ambos ficarão tristes. 

Apresente alternativas

Quando seu filho se comportar de forma inadequada, mostre a ele alternativas a isso. Por exemplo, se ele costuma gritar quando quer algo, e você quer que ele pare, demonstre a ele como falar tranquilamente e ainda assim obter a atenção desejada. É por isso que o antigo costume de dar palmadas se mostrou ineficaz ao longo do tempo, pois ele não ensina à criança como ela deveria se portar, apenas pune, sem oferecer alternativa.

Lembre-se que disciplinar não é o mesmo que punir. Disciplina tem a ver com ensinar. Frente a isso, questione a si mesmo se os seus próprios comportamentos estão de acordo com o que vem tentando ensinar ao seu filho. Dar um bom exemplo ainda é uma das técnicas de disciplina mais efetivas de todas.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://www.pampers.com.br/crianca-pequena/desenvolvimento/artigo/disciplina-da-crianca-pequena-alem-do-castigo   

“Para alcançarmos a criança, devemos compreender que a imaginação é um mundo”

A fala que abre esse post é do pesquisador da cultura de infância Gandhy Piorski. Segundo o maranhense, a imaginação é o que constrói a psique da criança, e pode atrofiar e causar danos como adultização precoce caso não seja estimulada já na primeira infância.

Sendo a imaginação tão necessária, Piorski destaca a importância do “nada” para o desenvolvimento dos pequenos: ele é o chão do todo, pois é rico de possibilidades e permite que a criança encontre em si mesma a extensão do mundo. Porém, ele lembra que os pais devem permitir esse “nada” às crianças ao mesmo tempo em que se fazem presentes e ativos nesse espaço aparentemente vazio. Afinal, é “a presença do pai, da mãe, do educador que assegura a confiança, o acolhimento da descoberta, o encontro dessas novas possibilidades, a investigação que a criança naturalmente quer exercer”.

post 2

Como já comentamos em outro post, o excesso de atividades e de informação escolar, de deveres a cumprir no dia a dia pensando que a criança precisará ser bem-sucedida num tempo futuro e distante, não faz bem para o desenvolvimento delas.

“Inserimos nossas crianças num fluxo vertiginoso de modelamento social, para num futuro serem vitoriosas na geração de produtos e consumo”, afirma o pesquisador, reforçando que com isso reprimimos o que os pequenos têm de mais valioso no humano: a capacidade de imaginar, que é de onde brota a verdadeira inteligência, é o lugar onde se adubam os valores e se constrói a ética.

O excesso de estímulos

Outro ponto destacado por Gandhy é o excesso de estímulos, que também pode prejudicar o desenvolvimento da imaginação. Ele enfatiza que este é um drama civilizacional, que faz parte da forma como a humanidade escolheu viver.

Assim, ele lembra que “as crianças têm pouca escolha, pois estão à mercê dos desejos dos pais, da época em que vivem”, mas saliente que a responsabilidade de escolha é dos adultos – e não das crianças. Quando os pais mudam a forma como encaram a vida, eles podem criar melhores condições para seus filhos. E isso inclui rever modos de trabalho, o conceito de tempo, entendimentos sobre o que realmente é aprendizado, senso de vida comunitária, e tantas outras revisões que podemos fazer para viver em um mundo melhor.

Fonte: Site Lunetas 

Seis dicas de como fazer a validação emocional das crianças

Saber lidar com as emoções é uma tarefa que parece simples, mas não é. Precisamos aprender a entender que as emoções, os sentimentos, fazem parte do nosso dia a dia, que há situações que precisam ser enfrentadas.

post 3.1

Com as crianças, é importante não invalidar as emoções, não desvalorizar os sentimentos ou fazer pouco caso. Segundo a psicóloga Raquel Barboza Lhullier, essa invalidação pode deixar as crianças inseguras, com a auto-estima abalada e, inclusive, causar desregulação de várias emoções.

Por outro lado, a profissional destaca que crianças validadas emocionalmente se sentem mais confiantes em si, nos outros e mais empáticas. Aprendem a se fortalecer com os desafios da vida.

 

Como fazer a validação emocional na infância

 

A criança está com raiva?

❌ – Não podes sentir raiva, que feio!

✔ – Entendo a tua raiva, mas não pode bater!

 

A criança está triste?

❌ – Engole o choro e para de bobagem!

✔- Vem cá, dá um abraço, estou aqui para ajudar!

 

A criança está ansiosa?

❌ – De novo, quando vais parar com isso?

✔- Sei como é, vamos aprender a lidar com ela? Eu te ajudo!

 

A criança está orgulhosa?

❌ – Não fez mais do que a tua obrigação!

✔- Muito bem! Parabéns pela dedicação!

 

A criança está com medo?

❌ – Que bobagem esse medo!

✔- Está com medo de dormir? Vamos te ajudar a enfrentar!

 

A criança vai tomar vacina?

❌ – Não dói nada, não faz fiasco!

✔- Pode doer um pouco, sim, mas logo passa!

 

Fonte: recomendações da psicóloga Raquel Barboza Lhullier

 

Criança X agenda cheia: para pediatra, a infância não serve para “construir currículo”

Por acaso você já ouviu essa conversa?

“Precisamos organizar a agenda das crianças, pois elas precisam fazer aulas de idioma, música, reforço, teatro, esportes.”

Provavelmente, sim! Foi na sua casa? Talvez, então, seja bom você parar um pouco e repensar essa rotina.

post 2

Segundo o pediatra Daniel Becker, que é um dos criadores do Programa Saúde da Família e pesquisador do Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da UFRJ, manter uma visão curricular sobre as atividades das crianças pode fazê-las desenvolver comportamentos de competitividade e individualismo.

Para o especialista, a prioridade na infância deve ser o livre brincar. Essa atividade não se repete, não temos outra chance pra isso! E, ao mesmo tempo, é a atividade que ajuda a estimular uma série de competências humanas que não se aprende em sala de aula.

“Nós vivemos uma cultura de excesso de valorização da aprendizagem com adultos, é um paradigma da escola do desenvolvimento. Como se o desenvolvimento de uma criança só se desse na sua interação com adultos. Na verdade, isso só provê a criança de um tipo de ganho, um tipo de inteligência”, afirma o pediatra, que chama esse tipo de educação de “educação bancária”, aquela em que um domina o conhecimento e outro está ali para receber e que é cada vez mais reconhecida como um modelo com limitações.

“Uma criança que brinca no parque com amigos vai aprender a negociar, interagir, ter empatia, ouvir o outro, se fazer ouvir, avaliar riscos, resolver problemas, desenvolver coragem, autorregulação, auto estímulo, criatividade, imaginação… Uma série de habilidades que nenhuma aula vai oferecer para ela”, salienta, reforçando que essas habilidades são muito mais importantes para um adulto bem-sucedido do que uma aula de música ou o reforço de matemática.

Daniel Becker lembra que é importante, para a criança, cair e ralar o joelho, pois “a vida dói, a realidade dói. Mas passa. E, no dia seguinte, o machucado ganhou uma casquinha, o corpo está reagindo e fazendo alguma coisa”. Ela entende que pode enfrentar a dor, que ela passa e que o corpo se regenera, aprendizado que nenhuma aula oferece.

Fonte: Revista Exame

 

Brigas dos pais afetam crianças a longo prazo

A vida nem sempre é um mar de rosas. Há, claros, momentos mais difíceis, que merecem toda a atenção dos pais para que decisões e posturas de hoje não afetem a vida das crianças a longo prazo. A rotina da casa impacta diretamente a saúde mental e o desenvolvimento dos pequenos e a dinâmica do relacionamento dos pais é um dos fatores que pode colaborar com o bem-estar das crianças.

post 1

Sabemos que pequenas discussões cotidianas fazem são parte da vida e da rotina. Essas, segundo o psiquiatra Gordon Harold, têm um impacto mínimo – para não dizer nulo – nos pequenos.

Mas o que realmente afeta as crianças?

  • comportamentos exagerados, como brigas com gritos;
  • demonstrações mútuas de raiva diante dos filhos;
  • quando um cônjuge ignora o outro constantemente.

Gordon Harold, que é professor de Psicologia da Universidade de Sussex (Reino Unido) e pesquisador dos impactos de conflitos interparentais nas crianças, relata que pesquisas internacionais conduzidas ao longo de décadas analisaram comportamentos domésticos e o desempenho de crianças ao longo da vida. Entre os resultados, destaca-se a informação de que a partir dos seis meses de vida, crianças que são expostas a conflitos tendem a ter batimentos cardíacos mais acelerados e níveis mais altos de estresse, sintomas que prejudicam a formação de conexões neurais nos cérebros infantis.

Dessa forma, os estudos apontam que conflitos interparentais severos ou crônicos podem provocar consequências como interrupções no desenvolvimento cerebral, distúrbios do sono, ansiedade, depressão, indisciplina e outros problemas graves em bebês, crianças e adolescentes.

E tem mais: efeitos similares são observados em crianças expostas a brigas menos intensas, porém contínuas, em comparação com crianças cujos pais resolvem seus conflitos e negociam entre si de modo construtivo.

Por isso a qualidade do relacionamento entre os pais é um elemento central para a boa formação e desenvolvimento das crianças. E esse relacionamento não depende da união: brigas constantes entre pais que moram separados também têm esse efeito, que também não depende de vínculo sanguíneo (a questão vale para filhos biológicos ou adotivos).

Fonte: UOL Notícias

 

Namoro entre crianças deve ser tratado como uma brincadeira, uma fantasia

namoro de crianças

“Pai, aquele ali é o meu namoradinho!” “Mãe, eu tenho uma namoradinha!” Quem não fica com o pé atrás esperando a hora que as crianças vão começar a manifestar esse tipo de “relacionamento” com alguém da escola? Todo mundo, claro! Mas por que usamos aspas no “relacionamento”? Porque, segundo a psicóloga Tereza Vecina, essa história é mais uma fantasia, assim como brincar de casinha ou de boneca. Ou melhor, é assim que a psicóloga orienta os pais a encararem as falas. Afinal, manter relacionamentos é coisa de adulto!

namoro de crianças

As crianças têm mais (ou menos) afinidade com alguns colegas de escola e, quando acontece de gostarem mais de uma pessoa, elas manifestam esse sentimento dizendo que namoram o amiguinho ou a amiguinha, mesmo que não haja qualquer conotação além da de ser o amigo mais legal. Muitas vezes, segundo Tereza Vecina, elas escolhem alguém que se destaca na turma – mais popular – mas, na maioria das vezes, o “namoro” é  unilateral, ou seja, só a sua criança sabe.

Deixa quieto

Ok, você sabe que é brincadeira, que é fantasia… Mas e você estimula essa brincadeira? A psicóloga recomenda que não estimular esse tipo de comentário. “A família não deve ignorar nem proibir, pois a fantasia é saudável para o desenvolvimento da criança. Mas os exageros podem levar a uma erotização precoce”, afirma. Apenas deixe a criança falar, sem maiores estímulos.

Cada coisa na sua hora

Sempre lembre que crianças não são adultos em miniatura. Os pais têm de deixar claro que só adultos namoram de verdade. Tudo tem sua hora. E as crianças precisam entender isso”, resume a psicóloga. Ou seja, pode ser fofo ver as duas crianças trocando juras de amor, mas não é, pois estimula um comportamento precoce.

 

Fonte: Revista Crescer

 

Por que precisamos entender o relógio de ponteiros?

Por que precisamos entender o relógio de ponteiros?

Recentemente, uma notícia chamou a atenção nas redes sociais: escolas do Reino Unido estão retirando os relógios analógicos (de ponteiros) das salas de aula. A decisão se baseia no fato de que os jovens estão acostumados a ver as horas nos relógios digitais e podem se sentir pressionados diante da estranheza do analógico, pois precisam de mais esforço para tentar saber as horas.

A repercussão da notícia gerou um novo debate: por que é importante entender o relógio de ponteiros? Por que precisamos ver as horas nele se temos o digital que desempenha a mesma função?

Por que precisamos entender o relógio de ponteiros?

O UOL Educação destaca, em texto sobre os ponteiros do relógio, que essa ferramenta permite ensinar às crianças diversas outras funções da Matemática que são importantes para o desenvolvimento do raciocínio lógico, como a compreensão de fração e ângulo, por exemplo. Ou seja, não se trata apenas de entender e saber o tempo!

Quer dicas para saber como trabalhar essa questão com os pequenos? A equipe do Estudamos reuniu aqui  uma lista de atividades com relógios que você pode fazer com as crianças!

Você também pode usar o relógio de ponteiros de forma lúdica, com brinquedos como o Aprendendo das horas que, além de ensinar as horas, permite relacionar o tempo às situações do cotidiano.

Fontes: R7, UOL Educação, Estudamos e Xalingo Brinquedos