Blog :: Xalingo

Tag - saúde infantil

Saiba mais sobre a labirintite

Saiba como uma inflamação no ouvido pode causar tontura, náuseas e até vômitos.

Conhecida por atingir os idosos, a labirintite não é exclusividade deles: ela também atinge bebês e crianças e é um processo inflamatório no labirinto, região do ouvido que é responsável pelo equilíbrio. Devido a isso é comum a sensação de mal estar quando está inflamado.

Há mais de 300 causas para labirintite entre adultos, mas nas crianças as duas principais são inflamação no ouvido e vertigem paroxística benigna na infância. Então, caso seu filho tenha dificuldade para realizar tarefas simples e tenha tontura, náusea, zumbido no ouvido, dores de cabeça ou quedas frequentes, fique de olho.

Diagnóstico

Para diagnosticar, são realizados exames como tomografia, ressonância magnética e audiometria, pedidos por médicos especialistas, como um otorrinolaringologista ou fonoaudiólogo.

Tem cura?

Sim, labirintite tem cura e pode ser alcançada através de medicamentos, ajustes na dieta, procedimentos cirúrgicos específicos e reabilitação vestibular (uma fisioterapia específica que foca no equilíbrio, reeducando o cérebro). A taxa de sucesso vai além de 80% utilizando essa última medida. Além desses cuidados mais técnicos, você também pode fazer outras medidas simples para te ajudar, mas para conhecer o mais adequado a situação de cada criança, é necessário consultar um médico.

Essa condição tem um impacto grande na infância, interferindo diretamente no rendimento escolar, aprendizagem e desenvolvimento cognitivo, tanto oral quanto escrito. Por isso, é válido que não apenas os pais, mas professores também estejam atentos e mantenham um diálogo para discutir eventuais dificuldades e sinais. Mas não precisa entrar em pânico. Nem toda tontura é sinal de labirintite. Caso tenha dúvidas, o recomendado é procurar um especialista.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://paisefilhos.uol.com.br/crianca/labirintite-tambem-atinge-criancas-e-bebes-saiba-os-sintomas-e-como-tratar/

Veja o que essa pesquisa diz sobre diabetes tipo 2

Estudo realizado pela Universidade de Plymouth, na Inglaterra, em parceria com empresa de alimentos, mostrou fatores que predispõem as crianças a desenvolverem diabetes tipo 2 na vida adulta. Confira!

O tema foi parte de um trabalho pioneiro denominado EarlyBird, que acompanhou 300 crianças saudáveis no Reino Unido durante 15 anos para determinar quem correria o risco de desenvolver essa doença e os motivos para isso.

As crianças que participaram do estudo foram monitoradas desde os cinco anos de idade até o início da idade adulta para entender as mudanças de metabolismo durante o crescimento e foi assim, que lançaram uma nova luz sobre os fatores biológicos e fisiológicos relevantes para a saúde na infância. Os resultados foram revisados por outros especialistas e pesquisadores, que confirmaram a tese. Por isso, sem mais delongas, os últimos resultados publicados na revista Diabetes Care apontaram que o primeiro evento que leva ao pré-diabetes é uma disfunção precoce das células beta, responsáveis por produzir insulina (hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue).

Essa disfunção das células beta está associada à presença de fatores genéticos previamente associados com o diabetes tipo 2 em adultos. Esse resultado é muito importante, porque indica que é possível fazer a identificação precoce em crianças que correm o risco de desenvolver a diabetes tipo 2 no futuro. O professor Jon Pinkney, da Universidade de Plymouth, afirma que “a crescente prevalência do diabetes tipo 2 é um dos maiores desafios globais da saúde, e é urgente desenvolver estratégias eficazes para intervenção e prevenção precoces. A pesquisa em parceria entre a Universidade de Plymouth e a Nestlé mostram como os riscos de desenvolver diabetes tipo 2 podem ser previstos na infância, o que abre a possibilidade de aconselhamento individualizado e intervenção precoce para reduzir esses riscos no futuro”.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://paisefilhos.uol.com.br/crianca/pesquisa-aponta-o-que-leva-criancas-a-desenvolverem-diabetes-tipo-2-na-vida-adulta/

Seu filho é inquieto e faz muito barulho? Entenda o que pode ser

O seu filho está sempre inquieto e fazendo barulho? Fique tranquila. Entenda!

Se o seu filho não fica parado, brinca e faz muito barulho, pode ser… que ele é muito feliz. Crianças que expressam suas emoções sem medo, são mais felizes.

Claro que na vida há momentos bons e ruins, mas na maioria das vezes uma criança que é ativa, é uma criança saudável, que está se desenvolvendo, que está descobrindo a si mesma e seu ambiente.

Os barulhos começam desde pequenos, mas se intensificam aos 3 anos, quando os pequenos começam a buscar independência e descobrem que são indivíduos. Com o passar dos anos seus ruídos vão mudando, mas sempre existem: elas falam sozinhas, cantam, assobiam e emitem sons. E isso as ajuda a liberar a tensão e a expressar o que sentem.

Mas também há barulhos que nos dizem que algo não está certo: quando estão nervosos, quando não se concentram em nada e quando são impulsivos. Eles podem estar apenas tentando chamar a atenção. Porém, em alguns casos, pode ser um distúrbio de hiperatividade.

É muito importante observar o seu filho, reconhecer se o seu comportamento é normal e se faz parte do seu dia a dia ou se algo está acontecendo de uma forma diferente.

Algumas crianças são mais barulhentas do que outras, algumas são geralmente mais quietas, mas geralmente, quando há crianças, há barulho, e isso significa apenas que estão bem.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://www.curiosidadesdaterra.com/2019/04/criancas-felizes-sao-inquietas-e-fazem.html

É otite ou não é?

Chegou o verão! Época qual as crianças adoram banhos de piscina, mar e rios. Estes banhos podem ocasionar otite. Mas se você acha que, ao apertar a orelha do seu filho, vai saber se ele está com isso, melhor ler esta postagem.

Segundo o pediatra Thiago Caldi¸ muitos pais acreditam que basta apertar a região do tragus (aquela bolinha na área externa do ouvido – veja na foto ao lado) para diagnosticar uma otite. Mas, quando a criança tem uma otite média aguda, se você comprimi-lo nem sempre vai doer.

Isso porque nem toda otite média causa dor na região mais próxima à entrada da orelha. Na otite externa, caracterizada por uma inflamação na região do conduto, esse tipo de diagnóstico é mais comum.  Mesmo assim, o fato de a criança não sentir dor com esse tipo de “exame” não descarta a possibilidade de otite.

Ao desconfiar de uma otite, ainda que seu filho não reclame de dor nesse local, consulte sempre o seu pediatra.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2019/12/da-para-saber-se-crianca-esta-com-otite-ao-apertar-orelha.html

O amor pelo seu filho pode ser benéfico para a saúde dele

Pesquisadores acompanharam 172 famílias cujos filhos tinham tendência a serem obesos e aqueles cujas mães eram carinhosas e afetuosas tiveram menor probabilidade de ganhar excesso de peso.

Pesquisadores da Universidade de Buffalo, nos Estados Unidos, acompanharam 172 famílias que já enfrentavam fatores de risco significativos para a obesidade de seus filhos. Foi examinado se o comportamento de uma mãe poderia compensar os riscos de obesidade de seu bebê. Então, eles observaram mães brincando com seus bebês durante os sete primeiros meses de vida, analisando se os tons que elas costumavam falar eram grosseiros ou doces, além de suas posturas e toques físicos. Em paralelo, eles rastreavam o IMC dos bebês.

Na pesquisa, foi identificado que o ganho de peso estava superando o ganho de comprimento e isso estabeleceu uma trajetória preditiva para o projeto. Quando essas mesmas crianças tinham sete anos, mais de 36% eram obesas.

A conclusão foi de que as mães que falavam em tom afetuoso com seus bebês enquanto brincavam, eram menos propensas a ter filhos obesos. “A criança que recebe estímulos amorosos e não-ameaçadores, deverá ter um desenvolvimento positivo em relação às interações socias e a sua confiança. Mas, na presença de mães hostis, que brigam, falam grosseiro e até batem, todo apredizado do corpo da criança endurece; ela se torna mais reativa, menos confiante e menos empática. Tudo isso é decisivo em como a criança vai se relacionar com o mundo”, afirma Rita Calegari, psicóloga da rede de hospitais São Camilo.

Bebês cujas mães falavam em tom hostil, severo e agressivo mostraram sinais de que ganhariam peso pouco saudável. “Desde a gestação, a mãe já cria um vínculo com seu bebê. Tudo o que ela faz com o seu corpo também afeta a criança. Sejam alimentos, remédios, bebidas, drogas ou palavras, tudo isso influencia na forma como o bebê irá se relaiconar com o mundo.  Existe uma interdependência, pois são dois corpos coexistindo juntos, então se a mãe não tiver consciência do que ela ingere, isso poderá desencadear sérios problemas em seu filho”, comenta Rita.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte: https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Comportamento/noticia/2019/11/amor-de-mae-pode-reduzir-riscos-de-obesidade-aponta-estudo.html

5 cuidados para tomar enquanto as crianças praticam esportes

A prática de esportes é muito importante para o desenvolvimento e para a saúde das crianças. Mas todos sabemos: existem riscos que os pequenos correm, se machucando ou lesionando.

Para diminuir os riscos, como ferimentos e lesões, confira estas dicas:

1) Exija tempo de descanso e recuperação todos os dias

Todos os corpos precisam de tempo para se adaptar às demandas de treinamento – especialmente os que ainda estão crescendo.

“As pessoas se machucam porque não dormem o suficiente, não equilibram bem a nutrição, não hidratam”, diz Michelle Cappello, fisioterapeuta e diretora clínica do Centro de Medicina Esportiva para Hospitais Infantis da UCSF Benioff. Se você estiver passando o fim de semana assistindo seus filhos jogarem em um torneio de cinco jogos, verifique se eles estão bebendo água suficiente, comendo refeições e lanches nutritivos entre os jogos e dormindo o suficiente.”

Informe seus filhos que, se dormem menos de oito horas, têm um risco 1,7 vezes maior de se machucar”, diz Cappello. “Diga a eles que, se estiverem desidratados, seus músculos são 20% menos fortes”.Nirav Pandya, professor clínico assistente de cirurgia ortopédica nos hospitais infantis da UCSF Benihoff, fornece aos pacientes exemplos específicos com os quais se relacionar – a estrela da NBA Steph Curry é uma escolha popular na área de Bay.”Consigo que eles se recuperem dizendo que essas técnicas são o que os profissionais fazem para ter um desempenho melhor”, diz ele. “Trata-se de mensagens consistentes provenientes de pais e treinadores”.

2) Aquecimento adequado

Um dos problemas mais comuns para atletas em crescimento (principalmente meninas) são as lesões do LCA (lágrimas do ligamento cruzado anterior no joelho), que podem tirar uma criança do jogo por até nove meses – além de aumentar o risco de artrite mais tarde na vida. A correção, no entanto, é fácil e vale para quase todos os esportes de meninos e meninas: verifique se os atletas estão levando 10 ou 15 minutos para se aquecer adequadamente antes dos treinos. Iniciar qualquer atividade com músculos frios é uma receita para o desastre, independentemente da idade.

“Bons programas de prevenção que demoram pouco tempo todos os dias podem reduzir essas lesões e são facilmente acessíveis on-line”, diz Dennis Cardone, D.O., chefe de medicina esportiva da NYU Langone Health.

3) Verifique se o seu filho se diverte

Quando uma criança começa a arrastar os pés para praticar ou diz que não se sente bem, comece a fazer perguntas. Esse pode ser um sinal de alerta típico de que a pressão é muito alta, as demandas físicas se tornaram excessivas ou algo não parece certo.

“Quando as crianças começam a ver um esporte como uma tarefa, então seus corpos começam a desmoronar”, diz Pandya. “Você precisa garantir que as crianças queiram praticar o esporte, que invistam e se divirtam”.

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube.

Fonte:
https://paisefilhos.uol.com.br/crianca/5-coisas-que-os-pais-podem-fazer-para-evitar-que-as-criancas-se-machuquem-enquanto-praticam-esportes/

A OMS tem uma importante recomendação para você, pai ou mãe

Você costuma oferecer tablet ou smartphones para entreter o seu filho pequeno? Pois saiba que essa atitude não é a indicada pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

 

Brincar mais, dormir melhor e passar menos tempo em contato com telas, como televisão, tablet e celulares, são as recomendações de um guia inédito lançado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) com orientações para crianças com menos de cinco anos.

 

Segundo o documento, menores de dois anos não devem ter contato com telas e aqueles com dois anos ou mais podem assistir televisão por até uma hora por dia. A publicação recomenda ainda troca de telas por atividades como leitura e apresenta o tempo de sono recomendado por faixa etária.

 

As novas diretrizes foram elaboradas por um grupo de especialistas da organização, que avaliaram o impacto do sedentarismo e do sono inadequado e verificaram os benefícios do sono de qualidade e da prática de atividade física.

 

Segundo a OMS, inserir hábitos saudáveis nos primeiros anos de vida gera impacto não só no desenvolvimento motor e cognitivo da criança, mas em sua saúde ao longo da vida. Diminuir o tempo que os pequenos ficam sentados, seja vendo TV ou em carrinhos de bebê, também ajuda a evitar a obesidade infantil.

 

A organização também oferece orientações de atividades que podem ser realizadas pelos pais para evitar momentos de sedentarismo, como jogos mais ativos. Para os períodos em que a criança vai ficar sentada, a recomendação é substituir celulares, tablets e TV por leitura, contação de história, quebra-cabeça e canto.

 

Embora aborde a necessidade de práticas de atividades físicas, o guia também destaca a necessidade de um sono reparador para as crianças, incluindo os cochilos. Para bebês até três meses, a indicação é de 14 a 17 horas de sono por dia. Entre um e dois anos, o tempo de sono deve ser de 11 a 14 horas. Crianças de três a quatro anos devem dormir entre dez e 13 horas.

 

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCEu_wTApB06msiH5SXQ-JRg

 

Fonte:
https://www.correiodopovo.com.br/not%C3%ADcias/geral/crian%C3%A7as-com-menos-de-dois-anos-n%C3%A3o-devem-ter-contato-com-telas-recomenda-oms-1.334762

 

Este teste é muito importante para o seu filho

O teste do pezinho é fundamental para detectar doenças nos recém-nascidos e deve ser realizado até o quinto dia de vida. Com apenas uma picadinha no calcanhar é possível identificar doenças sérias que podem afetar o desenvolvimento do bebê.

 

Este teste foi trazido ao Brasil em 1976 pela APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) e tornou-se obrigatório e gratuito desde 1992. Atualmente, ele possui uma versão básica, que é oferecida na rede pública de saúde de todo o país. Nas maternidades privadas são oferecidas versões ampliadas do teste, que abrangem uma gama maior de doenças, porém com valores que passam dos R$ 400,00.

 

O teste do pezinho deve ser realizado entre as primeiras 48h e o quinto dia de vida do bebê. Nos dois primeiros dias não é aconselhável fazer o exame pois o funcionamento do organismo do bebê ainda estabelecendo, o que pode afetar os resultados. Em bebês prematuros é recomendada uma segunda etapa de exames, após 30 dias.

 

A versão básica do teste do pezinho possibilita diagnosticar seis doenças. Confira:

 

Fenilcetonúria

Doença causada pela deficiência no metabolismo do aminoácido fenilalanina, cujo acúmulo no organismo pode causar deficiência mental.

 

Hipotireoidismo congênito

É causada pela insuficiência do hormônio da tireoide, a tiroxina, cuja falta pode causar retardo mental e comprometer o desenvolvimento físico.

 

Fibrose cística

Caracterizada pelo aumento da viscosidades das secreções, causando infecções respiratórias e gastrointestinais, pois afeta pulmões e pâncreas e não possui cura.

 

Anemia falciforme e outras hemoglobinopatias

A alteração da hemoglobina dificulta a circulação, podendo afetar quase todos os órgãos, causando desde anemia até atraso no crescimento, além de dores e infecções generalizadas. É incurável.

 

Hiperplasia adrenal congênita (HAC)

Doença genética na qual as glândulas suprarrenais não funcionam corretamente. Isto prejudica a produção de hormônios essenciais para o organismo, como o cortisol e a aldosterona.

 

Deficiência de biotinidase

Doença genética, em que o organismo não consegue obter a enzima biotinidase, o que impede que os alimentos sejam processados pelo organismo.

 

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCEu_wTApB06msiH5SXQ-JRg

 

Fonte:
http://revistacrescer.globo.com/Bebes/Saude/noticia/2014/06/dia-nacional-do-teste-do-pezinho-saiba-importancia-desse-exame.html

Saiba como evitar futuros problemas de coluna em seus filhos

Sabe aquele problema na coluna que você ou alguma pessoa próxima tem? Segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), é grande a chance do problema ter ocorrido por carregar muito peso na infância.

 

Conforme a OMS, 70% dos problemas de coluna nos adultos são resultado de carregar peso em excesso quando crianças. Se o seu filho se locomove à escola com uma mochila que chega a ser pesada até para você carregar, então é necessário rever se realmente há necessidade dele apoiar tanto peso sobre o corpo, especialmente na região das costas.

 

O fisioterapeuta Santiago Munhos, diretor da clínica Santibras Fisioterapia, pós-graduado em Fisiologia Biomecânica do Exercício e Esporte pelo IOT (Instituto de Ortopedia e Traumatologia) da Faculdade de Medicina da USP, alerta que a  mochila não deve ultrapassar 10% do peso corporal. “É que o sobrepeso pode resultar em dores e alterações posturais, que são levadas para a fase adulta”, diz.

 

Ainda segundo a OMS, 85% da população mundial adulta sente ou já sentiu dores nas costas. “A mochila muito pesada leva a criança a se inclinar para a frente, pois faz mudar o ponto de equilíbrio do corpo. E essa mudança de postura afeta não só os ombros, mas os quadris, joelhos e tornozelos”, diz o traumatologista Sandro da Silva Reginaldo, responsável pelas campanhas públicas da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT). Segundo o especialista, uma criança de 7 anos, que geralmente pesa em torno de 20 quilos, caso leve uma mochila carregada demais passa a submeter seu organismo à mesma carga que teria se fosse obesa.

 

Lei para limitar o peso das mochilas


O problema é tão grave que tramita no Congresso o projeto 3.673/15, da Câmara dos Deputados, que tem como objetivo limitar por lei o peso que uma criança pode carregar nas costas. Segundo informações do site do SBOT, durante a discussão na Câmara Federal, foi citado o fato de que o estudante universitário, cujo organismo já está formado, proporcionalmente leva para a Faculdade menos livros e material que o estudante de Ensino Fundamental.

 

Mas o que fazer sobre a situação?

 

Escolha mochilas com alças acolchoadas, de preferência com uma alça extra para a linha da cintura. Evite ao máximo as mochilas com uma única alça na diagonal, já que sobrecarregam apenas um lado do corpo;

 

– Fiscalize a mochila para garantir que seu filho leva para a escola apenas os intens necessários para aquele dia. Certamente, você vai encontrar itens supérfluos, que podem ser deixados em casa;

 

– Para as mochilas de rodinha, veja se a acessibilidade do local por onde seu filho anda e o deslocamento até a escola/casa permite que ele arraste-a sem dificuldades. Na primeira opção, ajuste a alça para que o braço da criança fique sempre estendido. Também não esqueça de orientá-la para alternar o braço que puxa a mala.

Abaixo você pode observar como a saúde do seu filho é afetada pelo uso incorreto e o que você pode fazer para mudar isso. As informações são da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia:

Créditos da imagem: Site SBOT

Créditos da imagem: Site SBOT

 

E você: tem esses cuidados com a mochila do seu filho? As dicas foram importantes? Comente abaixo para sabermos! 😊

 

E para ficar por dentro das últimas novidades da Xalingo Brinquedos, inscreva-se em nosso canal no Youtube: https://www.youtube.com/channel/UCEu_wTApB06msiH5SXQ-JRg

 

Fonte: https://revistacrescer.globo.com/Criancas/Saude/noticia/2019/02/70-dos-problemas-de-coluna-nos-adultos-sao-resultado-de-carregar-muito-peso-na-infancia.html

 

Filho agitado? Ioga pode ser a solução

post02

Muito popular entre jovens e adultos, a Ioga ajuda a relaxar e lidar com o estresse do dia a dia. E uma creche de Londres acredita que a atividade não precisa se resumir aos mais velhos: ela pode ser inserida na vida das crianças.

 

Crianças de 3 anos estão aprendendo essa técnica. Segunda acredita a professora de ioga, Jessica Reece Bloch, “não existe uma idade mínima para aprender ioga. As crianças entendem onde estão seus braços, pernas, cabeça. Entendem sua respiração. Entendem como o corpo reage quando estão com raiva. E entendem como o corpo responde quando tentamos acalmá-lo por meio da respiração.”

 

As aulas, criadas para combater a ansiedade e o estresse nas crianças, começaram em duas creches da capital britânica. “Quando elas vão para o jardim, elas estão bem mais calmas”, diz Mine Sattaur, professora da creche comunitária Noah’s Ark. “Elas se abrem. Conversam umas com as outras. Conseguem esperar por sua vez. Parece ser algo que as acalma. Há uma energia positiva.”, conclui Mine.

 

Os testes foram tão bem sucedidos que as aulas são dadas em cinco creches no total.

 

E a Fundação London Early Years agora quer levar as aulas de ioga e mindfullness para crianças de toda a cidade.

 

O que você acha da ideia? Comente abaixo!

 

Fonte: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2018/08/03/creches-de-londres-oferecem-aulas-de-ioga-para-acalmar-criancas.ghtml