Blog :: Xalingo

Está se sentindo sozinha? Vamos resolver isso.

post2

Junto com os desafios diários da maternidade, manter a vida social é complicado, não é mesmo? Muitas mães ficam reclusas, se dedicando aos filhos, e sentem falta das amigas. A partir dessa ideia, a empresária Michelle Kennedy criou um aplicativo para unir essas mulheres – o Peanut.

 

O Peanut aproxima mães com interesses em comum como, por exemplo, as que não curtem malhar (“Inimiga do Fitness”), as que querem se divertir (“Hora do Vinho”) e as que gostam de música (“A Música é meu Remédio”). Mães de filhos especiais e mães solo também podem se aproximar de amigas que têm a mesma realidade.

 

“O Peanut é projetado para dar às mulheres uma rede, e ver a maternidade como uma aventura na vida dela. Cada passo do Peanut é orientado para torná-lo simples de alcançar e se conectar de forma amigável e acessível”. – declarou a empresa em comunicado oficial à imprensa.

 

O aplicativo que pode ser baixado nas lojas online é free. Ele funciona da mesma forma que os aplicativos de encontros: as mães podem arrastar a tela para cima para dar um “oi” ou para baixo para mover para a próxima “candidata”. Assim os pares vão se formando.

 

Agora o aplicativo também tem páginas que funcionam como comunidades onde as mamães falam sobre temas como: dinheiro, relacionamentos, eventos atuais, equilíbrio entre vida e trabalho, por exemplo. Além disso, existe a possibilidade de criar grupos, assim as usuárias podem sugerir ideias de reunião e enviar convites para as amigas.

 

“Estamos em uma missão para construir uma comunidade de mulheres. Porque a maternidade não caracteriza toda a identidade da mulher. Ela é uma chance a mais para se unir. O Peanut é uma boa oportunidade, inclusive, para encontrar destinos amigáveis para crianças” – completa o comunicado da empresa.

 

Você já conhecia o aplicativo? Conta pra gente o que achou dessa ideia.

 

Fonte: Catraquinha Livre

1 comentárioDeixe um comentário

  • Que legal! Essa rede de mulheres se torna importante numa fase de transição pra nós que nos tornamos mães. Me senti muito isolada quando tive meu filho há 2 anos. Eu estava sempre em movimento, por conta do trabalho, faculdade, ministérios na igreja. E quando meu filho nasceu fiquei distante de tudo isso de certa forma. De licença no trabalho, já na reta final da faculdade, frequentando a igreja, mas sem me envolver com as atividades. Quando meu pequeno estava com 6 meses descobri um grupo de mães no zap que me fez muito bem.

Deixe um comentário para clicia pinto das dores barcelos Cancelar resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *